Presidente dos Tirsenses apela ao protesto para defender Hospital de Santo Tirso

Foi no parque de viaturas decorado a rigor que o espírito natalício marcou presença na AHBVT, numa cerimónia repleta de profissionais, colaboradores, amigos e representantes de várias entidades.
Carlos Oliveira, presidente da direção da AHBVT, relatou as várias dificuldades que a instituição vive atualmente. “É muito ingrato nós andarmos a bater às portas e as pessoas não nos reconhecerem. As pessoas que vivem a denegrir aquilo que é uma causa humanitária como esta não servem, não prestam, não são amarelos. E porque não são amarelos não merecem estar associados a o que quer que seja desta casa”, lamentou. Carlos Oliveira destacou ainda o facto de “serem parceiros em termos de “saúde” e, “se calhar somos os primeiros a conhecer a realidade daquilo que são as pessoas doentes, necessidades e carenciadas” do concelho. Como tal, o presidente afirmou ser “contra” a passagem do Hospital de Santo Tirso para a Santa Casa da Misericórdia, “não admitindo” que Santo Tirso fique “despojado do Serviço Nacional de Saúde em termos diretos por um interesse que pode estar a ser visto a muito curto prazo”, admitindo “estou à vontade para falar desta forma pois sou irmão da Santa Casa da Misericórdia de Santo Tirso”.
Carlos Oliveira foi mais longe e lançou o desafio: “Vamos para a rua, vamos cortar estradas, vamos assumir que o Hospital de Santo Tirso é dos tirsenses, é do SNS e não destruam aquele que é um dos grandes exemplos que este país tem para dar. Não consigo entender como se pode tratar o hospital, a população e os funcionários com esta desfaçatez, quando aparece o protagonista Misericórdia a dizer ‘eu não sei o que isto vai dar’”.
O presidente da Associação foi mais longe e deixou o desafio à Câmara Municipal e aos que ocupam cargos de preponderância política: “Sr. Vereador Alberto Costa estamos aqui para ir para a rua para reinvindicar o que Santo Tirso tem direito. Não tenho nada contra a gestão privada da saúde, até porque os tirsenses têm uma clínica privada, agora não queiram que sejam os privados a assumir a gestão de prejuízos”, numa alusão à retirada por parte do Ministério da Saúde da comparticipação na Clínica dos Tirsenses da especialidade de Gastroenterologia. Carlos Oliveira afirmou que os bombeiros nunca foram tão maltratados como agora”. Levamos um pontapé e agora somos obrigados a transportar os doentes para o Hospital de Braga e não nos pagam os transportes”, acusou.
O presidente lançou ainda duras críticas à tentativa de “despojar o corpo de bombeiros da Associação da EIP- Equipa de Intervenção Permanente” e adianta: “fomos os primeiros a defende-las e não admito ficarmos desprovidos dela”, asseverou.
Respondendo ao desafio do presidente da Junta de Freguesia, Jorge Gomes, Carlos Oliveira reiterou que a Associação está disponível para fazer protocolos e estabelecer parcerias com todas as instituições, seja Junta ou Câmara Municipal”.
O vereador da Proteção Civil, Alberto Costa, destacou as corporações de bombeiros de Santo Tirso como “um pilar fundamental na sociedade tirsense”, reconhecendo o trabalho que os voluntários fazem ao longo do ano. Alberto Costa deixou ainda a promessa de que os equipamentos novos de que a corporação necessita “vão ser entregues quando estiverem todos disponíveis, o que prevemos que aconteça já em janeiro”. O autarca confirmou ainda de que iria ser levada a deliberação do executivo municipal a atribuição de um subsídio às corporações de bombeiros do concelho “no valor de 5 mil euros, para cada umas delas a fim de reconhecer o trabalho levado a cabo na “eliminação dos ninhos de vespas velutinas no concelho”,. “ É um problema da Direção Geral de Veterinária e do Governo central mas não obstante isto, conseguimos em conjunto arranjar uma solução”, frisou.
O comandante do corpo de bombeiros, Amadeu Silva, fez no seu discurso uma alusão à tela exposta na sala onde se podia ler “1930-2015”, fazendo referência aos 85 anos da instituição, celebrados a 31 de dezembro. “Vocês foram os pilares do passado, são do presente (…). Esperemos que mais voluntários se associem a esta causa”, salientou, agradecendo a todos aqueles que se dedicam “24 horas por dia” a esta corporação de bombeiros. “Dá gozo, dá prazer comandar este corpo de bombeiros”, adiantou.
O comandante agradeceu aos bombeiros que heroicamente ajudaram a salvar das chamas os carros, num incêndio no Parque de viaturas, que acabou por danificar um carro, e que “graças à coragem do Chico, da Mariana, do José Ferreira e do bombeiro 80 que arriscaram a abrir o portão para combater o incêndio no quartel”, reconhecendo a capacidade de resposta e prontidão para socorrer a população.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização