Festival Internacional de Guitarra “é um acontecimento cultural do Norte” (c/video)

Até ao dia 28 de maio, Santo Tirso assume-se como a capital da guitarra clássica. Vários artistas do mundo participam no Festival Internacional, que é considerado pela autarquia “um acontecimento cultural do Norte”.

O
s sons clássicos da China soaram no auditório Padre António Vieira, no Instituto Nun’Alvres, em Santo Tirso, na noite de 13 de maio. Xuefei Yan teve honras de iniciar o Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso e teve a companhia da Orquestra Artave no palco. A variedade foi o trunfo da artista, nascida em Pequim, mas residente em Londres e considerada uma das melhores guitarristas clássicas da atualidade.
O diretor artístico da Artave, Alexandre Reis, destacou a “pujança” e o “fulgor” da instrumentista, assim como “a diversidade”, pela apresentação de “clássicos chineses, de música da Península Ibérica e de música brasileira”. “Apresentou um programa muito variado e de elevado nível artístico”, acrescentou.
Até 28 de maio, outros artistas e sonoridades poderão ser apreciados no concelho de Santo Tirso. Grisha Goryachev é o artista que se segue, no dia 27 de maio, pelas 21.30 horas, na Biblioteca Municipal de Santo Tirso. O russo é dos poucos que revive a tradição da guitarra flamenca solo num concerto.
O festival termina com Kazuhito & Kanahi Yamashita. O primeiro regressa a Santo Tirso, quase 20 anos depois para mostrar por que é que é considerado uma lenda nos círculos da guitarra. O concerto está marcado para as 21.30 horas de 28 de maio, no Auditório Eng. Eurico de Melo. Acompanhado pela filha, Yamashita apresentará um concerto especialmente preparado para o Festival, que inclui interpretações de música clássica japonesa.
Os bilhetes para os dois últimos concertos do Festival Internacional de Guitarra têm o valor de 7,50 euros, com 50 por cento de desconto para estudantes, e podem ser adquiridos nas instalações da ARTAVE, na FNAC do Norte Shopping e de Santa Catarina.
Joaquim Couto, presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, mostrou-se “muito agradado” com o “auditório cheio” do primeiro concerto, cenário que espera ver replicado “em todos os outros espetáculos”. “E, sobretudo, que sejam participados pelos jovens, que é muito para eles que desenvolvemos a iniciativa em parceria com a Artave”, explicou.
Cumprindo a 23.ª edição do evento, o autarca explicou que o executivo municipal “tem uma planificação cultural que abrange todas as faixas etárias” e que “tenta formar todos os públicos” e “criar uma massa crítica que alimente a criatividade cultural”.

Artistas que já tocaram
no Festival
O Trio Alfredo Panebianco foi o grupo que se seguiu na programação, com concerto no dia 14 de maio na Biblioteca Municipal de Santo Tirso. Já no dia 20 de maio, foi o croata Zoran Dukic que subiu ao palco da Biblioteca Municipal e, no dia seguinte, o quarteto Sandro Norton tocou no Auditório Eng. Eurico de Melo. Os Gnomon apresentaram-se no Centro Cultural de Vila das Aves, no dia 22 de maio.

Vertente pedagógica do evento
Além dos espetáculos, o Festival continua com a vertente pedagógica. Xuefei Yang ministrou uma masterclass de guitarra clássica no dia 14 de maio e Sandro Norton participou num workshop na Fábrica de Santo Thyrso. O mesmo local será palco de outro workshop, protagonizado por Grisha Goryachev, no dia 27 de maio, pelas 10.30 horas.

 

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização