Empresas famalicenses na ISPO mostram têxtil inovador e sustentável

Na ISPO as empresas famalicenses dão cartas na sustentabilidade, apresentando os produtos e as matérias-primas têxteis do futuro e associando à inovação, tecnologia, design e moda os conceitos da economia circular.

A Cidade Têxtil de Portugal está representada na maior feira têxtil mundial dedicada ao desporto, que decorre em Munique, na Alemanha, desde ontem e até à próxima quarta-feira, por sete empresas e dois centros tecnológicos. CM Socks, Dune Bleue, Fradelsport, Lusosocks, Oldtrading, Olmac e Scoop, a que se juntam o CITEVE e o CeNTI, integram a comitiva portuguesa de 41 empresas.

Esta é uma participação que a Câmara de Famalicão apoia através da atribuição a cada empresa de um ‘voucher internacionalização’, resultado do protocolo celebrado com a ATP – Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal, como forma de impulsionar a sua competitividade e internacionalização.

“São empresas que representam o que de melhor se faz em Portugal na indústria têxtil e do vestuário de elevada tecnicidade para o segmento de desporto”, explica o Vereador dos Pelouros da Economia e Internacionalização, Augusto Lima, que está também de visita à ISPO, lembrando que os têxteis técnicos famalicenses representam já 156 milhões de euros de exportações.

Mas não é só a tecnologia e a inovação que dominam o certame. “As empresas famalicenses vieram à ISPO exibir também a sustentabilidade dos seus produtos, demonstrando assim uma preocupação cada vez maior com a responsabilidade social e ambiental. A sustentabilidade é a aposta de futuro e é muito positivo verificar que há cada vez mais empresas a abraçá-la”, refere Augusto Lima.

Esta segunda-feira, os Secretários de Estado da Economia, João Neves, e da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, visitaram os expositores portugueses na ISPO. A participação nacional é organizada pela Associação Selectiva Moda em parceria com o CITEVE.

Apostas das empresas famalicenses

A Lusosocks estreia-se na ISPO e logo para apresentar uma nova marca de peúgas, “inovadora e com produtos diferenciados do mercado e da concorrência do setor”, diz Miguel Campos. A empresa vai também apresentar um novo artigo patenteado e já premiado pelo júri da ISPO.

Já a CM Socks volta a apostar na ISPO, depois de se estrear em 2019, sobretudo para dar a conhecer a meia Prevent Sprain, que previne entorses e cuja tecnologia está patenteada em 143 países.

O mesmo sucede com a Fradelsport que, na sua segunda participação, aposta na apresentação de uma coleção ecológica para a modalidade de running, “com tecidos sustentáveis e linhas produzidas através de um polímero reciclado de flocos de garrafa de plástico, numa parceria com a famalicense Crafil”, explica Paulo Reis, sócio-gerente.

Especializada no vestuário sem costuras, o chamado seamless, a Oldtrading está igualmente focada no futuro sustentável, expondo artigos que foram produzidos com fios reciclados, a partir de resíduos plásticos (redes, garrafas e outros) recolhidos no fundo do mar. “Os mercados e clientes do Norte da Europa são muito sensíveis à defesa e proteção do ambiente”, lembra Rui Gordalina, CEO da Oldtrading.

Especialista em meias técnicas, a Dune Bleue tem vindo a reforçar a sua presença em eventos internacionais. E na ISPO dá a conhecer as novas meias produzidas com fio reciclado proveniente dos resíduos recolhidos nos oceanos. “São artigos de valor acrescentado, graças a uma combinação vencedora entre o know-how da empresa e a confiança estabelecida com os nossos parceiros”, sublinha Ricardo Faria, CEO da empresa.

A Olmac tem apostado no private label e na ligação a marcas de luxo associadas à moda com sofisticação técnica. “Sustentabilidade, pegada ecológica, responsabilidade energética. Conceitos na mente de muitos, realidade na Olmac”, aponta Olímpio Miranda, CEO da empresa, que dá a conhecer na ISPO novos artigo “mais em harmonia com a natureza e o ambiente. Responsabilidade de todos e de cada um”.

Recentemente reconhecida pela ONU pelas suas boas práticas empresariais, a Scoop levou para a ISPO o Musgo, o casaco tecnológico 100% português dotado de iluminação inteligente com fibras óticas, e outros artigos “altamente técnicos, mas que usam materiais ecológicos oriundos de fibras naturais”, sublinha Daniel Mota Pinto, Diretor de Desenvolvimento de Negócios.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização