Santo Tirso ganha uma horta urbana com OPJ

Santo Tirso vai ter uma Horta Urbana, para uso particular e coletivo da população e das associações do Município. Este é o projeto vencedor da primeira edição do Orçamento Participativo Jovem, hoje anunciado pelo presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto: “Trata-se de uma proposta com impacto no espaço público, mas também com uma forte componente social que se adequa aos objetivos do atual executivo”. O projeto vai ser implementado durante o ano de 2015, nas traseiras da Fábrica de Santo Thyrso, e significará um investimento da autarquia na ordem dos 92 mil euros.

O projeto contempla duas partes. Uma destinada às famílias, outra para instituições do concelho. No total, cerca de 3750 metros quadrados de terreno vão ficar à disposição da população de Santo Tirso, para cultivar e usufruir dos produtos dali resultantes, para consumo.

Um dos objetivos desta proposta, explicou Joaquim Couto, passa “por colocar toda a comunidade citadina de Santo Tirso em contacto com a agricultura urbana”. Além disso, “visa contribuir para a formação, educação e integração de grupos de exclusão social” e, por isso, “não há dúvidas de que este projeto vai contribuir para a melhoria da qualidade de vida e do ambiente em Santo Tirso”, acrescentou o presidente da Câmara Municipal.

A proposta apresentada por três jovens do concelho – Cristiana Gonçalves, Joana de Castro e Marta Ferreira –, será, agora, executada pela autarquia, no âmbito da dotação prevista para o Orçamento Participativo Jovem. Segundo Joaquim Couto, a Câmara irá disponibilizar um terreno localizado nas traseiras da Fábrica de Santo Thyrso, para a concretização desta Horta Urbana, durante o ano de 2015. O investimento municipal rondará os 92 mil euros.

A Horta Urbana prevê a afetação de um terreno com 60 talhões, com dimensões de 30 metros quadrados. Segundo o que está previsto, os produtos cultivados serão apenas para consumo, não sendo possível a venda dos excedentes, caso estes existam. Contudo, no caso das hortas coletivas, pondera-se a existência de um espaço de venda para os excedentes de produção, com a salvaguarda de que o dinheiro que daí resultar reverterá para os custos de manutenção. Esta venda será controlada pela autarquia, de modo a garantir que apenas os excedentes serão comercializados e o valor aplicado em despesas de manutenção.

OPJ CONTINUA EM 2015

O anúncio do vencedor da primeira edição do Orçamento Participativo Jovem de Santo Tirso foi o culminar de um processo que se iniciou em setembro de 2014. Para além de sessões de esclarecimento, a Câmara Municipal promoveu três assembleias participativas descentralizadas, das quais resultaram a participação de mais de 150 jovens e apresentação de 21 projetos.

Com um público-alvo entre os 12 e os 30 anos, a média de idades dos participantes situou-se nos 19 anos, tendo o jovem 13 e o mais velho 30. Deste processo, chegaram à final três projetos: a criação de uma horta urbana, a construção de um Indoor Radical Park e a promoção do Rio Fest 2015.

“Tivemos muito boas propostas e o facto de não terem sido vencedoras não implica que a Câmara não as possa englobar em projetos que vai desenvolver”, realçou o presidente da Câmara de Santo Tirso, dando como exemplo o Indoor Radical Park e o estudo preliminar que o Município está a desenvolver, para a construção de um skate park. O mesmo se passa com o Rio Fest: “Um dos objetivos da autarquia é promover diversas iniciativas, a nível cultural”.

Joaquim Couto reiterou, ainda, a certeza de que o Orçamento Participativo Jovem continua este ano. A dotação – 120 mil euros –, “irá manter-se”, continuando a ser “uma das maiores a nível nacional”. “Esperamos que depois deste arranque, a participação dos jovens seja cada vez maior e entusiástica”, referiu o autarca, dando conta que o Orçamento Participativo Jovem de 2015 já está no terreno, contemplando um maior período para entrega de propostas.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização