Funcionária de lar em Santo Tirso infetada com Covid-19

Uma funcionária do lar Dra. Leonor Beleza, uma estrutura da Santa Casa da Misericórdia de Santo Tirso que acolhe pessoas com elevado grau de dependência, deu positivo no teste ao novo ​​​​​​​coronavírus, apurou o JN.

A mulher, que a partir de domingo, dia em que estava de folga, começou a apresentar febre, foi encaminhada para a realização do teste, cujo resultado foi conhecido ao final da tarde de segunda-feira. Nesse dia, a funcionária, que é auxiliar de limpeza e faz a higienização de um piso e uma ala do lar, não foi trabalhar.

Outras duas funcionárias que apresentaram alguma sintomatologia que pode ser compatível com Covid-19 também foram encaminhadas para o Hospital de S. João para fazerem o teste, cujos resultados ainda são aguardados. Por precaução, outros 10 funcionários foram enviados para casa. “Retrocedemos no tempo aos últimos 14 dias para ver todos os contactos que tivessem sido feitos pela colaboradora [infetada]”, explicou Sara Almeida e Sousa, responsável pelos Recursos Humanos e porta-voz da Santa Casa de Santo Tirso.

Entre os utentes do lar, há um, com 50 anos, que apresenta sintomas e que vai ser submetido ao teste para o novo coronavírus. Encontra-se em isolamento e fará o teste no lar.

O primeiro caso de Covid-19 neste lar obrigou à implementação de medidas previstas no plano de contingência desta estrutura residencial para grandes dependentes, como referiu Sara Almeida e Sousa. “Fizemos a reorganização dos espaços e circuitos internos e vão ser implementados turnos de 12 horas, para limitar a exposição dos utentes”, indicou. A responsável confirmou que os funcionários do lar não estão a usar máscaras de proteção, uma vez que “estão a ser seguidas as diretivas da Direção-Geral da Saúde”.

O lar Dra. Leonor Beleza, situado perto do centro de Santo Tirso, acolhe 94 utentes com idades compreendidas entre os 40 e os 90 anos e com elevado grau de dependência. Estão sem receber visitas desde o passado dia 9, havendo também pouco contacto entre eles. “É um lar com características muito específicas, dividido em alas e pisos, com estruturas estanques”, caracterizou a porta-voz da Santa Casa de Santo Tirso, acrescentando que “os utentes estão sempre a, pelo menos, dois metros uns dos outros e as refeições nas salas comuns são muito limitadas”.

Notícia publicada pelo Jornal de Notícias

Obrigado por ler esta notícia

Veja tambem