Select Page

Scoop ajuda a criar casaco com iluminação inteligente (c/ vídeo)

Chama-se MUSGO e é o mais recente casaco iluminado destinado aos amantes de desporto, trabalhadores ou até mesmo peregrinos, que tem um sistema de iluminação inteligente com fibras óticas.

A tecnologia é 100% portuguesa, assim como a produção e tem como objetivo diminuir o número de fatalidades com peões, que em 75% dos casos ocorrem em zonas escuras ou com pouca iluminação.

O casaco, que dispõe de uma aplicação móvel para utilizar com o smartphone, chegou hoje ao mercado português e está disponível para compra na plataforma de financiamento colaborativo Indiegogo, onde está a decorrer uma campanha de crowdfunding nos próximos 30 dias com o objetivo de angariar cerca de 70 mil euros para melhorar as suas funcionalidades e aumentar o seu volume de produção.

De acordo com um relatório da agência norte-americana para a segurança rodoviária (NHTSA – National Highway Traffic Safety Administration), em média, um peão foi morto aproximadamente a cada 1,5 horas em acidentes de trânsito em 2016 e 75% das fatalidades ocorrem em áreas escuras. Foi esta a principal motivação dos empreendedores que desenvolveram esta solução, que pretendem que seja comercializada a uma escala global.

“O sistema de iluminação inteligente com fibras óticas que desenvolvemos aumenta a segurança dos utilizadores através da iluminação ativa e é inteligente graças ao recurso a sensores que existem num smartphone e que ajudam, por exemplo, a sinalizar a travagem de um ciclista ou informar um trabalhador que saiu da área de segurança”, explica Filipe Magalhães, diretor científico e tecnológico da VIME, entidade que juntamente com as também empresas portuguesas SCOOP e LAPA são responsáveis por este novo conceito.

De acordo com o responsável, os produtos existentes no mercado com iluminação ativa, isto é, que não dependem de fontes de iluminação externa para depois a refletirem, não apresentam a componente de “inteligência” conseguida através da utilização dos sensores do telemóvel.

Para garantir uma maior segurança de corredores, ciclistas, trabalhadores, peregrinos ou até de caminhantes casuais, alguns dos potenciais utilizadores do casaco, a empresa apostou num design arrojado, incorporando fibras óticas que constituem o núcleo do sistema de iluminação em contextos de baixa iluminação ao ar livre.


Disponível em Android e iOS

A aplicação mobile permitirá ao utilizador selecionar a cor, a intensidade e a frequência do efeito de piscar, quer manualmente, quer utilizando os sensores existentes em qualquer smartphone para despoletar eventos na iluminação. Estrategicamente, estas funcionalidades serão adicionadas à aplicação já existente dos parceiros Lapa, e estará disponível quer para Android, quer para iOS, beneficiando assim da ampla comunidade de utilizadores mundiais já existentes.

O casaco inclui uma série de outras características premium, tais como como um “bolso saudável” para isolar o corpo da radiação emitida pelo smartphone; uma “cauda rebatível” para evitar salpicos/sujidade na roupa de quem andar de bicicleta em condições de chuva; bandas de silicone nos ombros para aumentar a aderência de sacos e mochilas; bolsos ventilados com fechos bidirecionais para regulação de temperatura e um painel respirável cortado a laser.

Amigo do ambiente

Mas a inovação do MUSGO não está apenas no salto tecnológico nem no design, mas também na produção eco-friendly. O casaco é feito com um tecido que incorpora partículas de carvão ativado obtidas a partir de cascas de coco recicladas.

Outros produtos feitos com este tecido passaram com distinção testes realizados no deserto do Sahara, na região Antártica, bem como testes realizados por atletas profissionais. As vantagens deste tecido? “Não se desgasta, pode ser lavado mais de 100 vezes sem comprometer a sua forma e estrutura, não vinca, seca 92% mais depressa do que o algodão, elimina odores e bloqueia radiação UV”, explica Filipe Magalhães.

O casaco MUSGO é 100% produzido em Portugal utilizando materiais de elevada qualidade com desempenho superior (repelente à água; à prova de vento; respirável; lavável; leve).

Com a campanha de crowdfunding, as instituições responsáveis pelo desenvolvimento do MUSGO pretendem atingir 70 mil euros para poderem, entre outras questões, avançar com a produção industrial dos casacos e atingir uma relação de custo que permita colocar o produto no mercado a um preço competitivo.

Durante a campanha, o casaco vai estar disponível a um custo de 287 dólares (o equivalente a cerca de 250 euros), sendo que este preço é exclusivo para doadores. Após o final da campanha, e dependendo dos objetivos atingidos, o casaco vai estar disponível por um preço que deverá rondar os 600 dólares num site dedicado ao produto, não estando para já prevista a sua disponibilização em lojas físicas.

Para além de Portugal, o casaco quer chegar aos mercados norte-americano, ao Canadá, Reino Unido e países do Norte e Centro da Europa, Holanda, Alemanha, Áustria, Polónia, Bélgica, Noruega, Suécia, Finlândia, países onde as horas de sol são reduzidas e, por isso, há maior procura deste tipo de soluções.

Texto: Sapo Lifestyle

Videos

Loading...

Siga-nos

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização