Auto Soluções

Santo Tirso renova Plano Municipal de Competências Digitais (c/video)

O secretário de Estado da Digitalização e Modernização Administrativa, Mário Campolargo, classificou o trabalho da Câmara de Santo Tirso na área da transição digital como “um exemplo para todos os municípios”. O governante falava na apresentação da segunda fase do Plano Municipal de Competências Digitais de Santo Tirso, que será implementado durante os próximos quatro anos.  

 “O que estou a viver aqui hoje é o futuro. Um pequeno passo que é, verdadeiramente, um exemplo para todos os municípios e que guardarei para a definição das estratégias nacionais”, afirmou Mário Campolargo, após ter assistido à apresentação do Plano Municipal de Competências Digitais 5.0 feita pelo presidente da Câmara, Alberto Costa. 

O membro do governo acrescentou que “Santo Tirso não só quer estar na vanguarda da arte contemporânea, mas também ser um exemplo na transição digital e na capacitação das pessoas”. Considerou, ainda, o plano apresentado, esta sexta-feira, na Fábrica de Santo Thyrso, como “absolutamente estratégico para o desenvolvimento da cidade”. 

Segundo o presidente da Câmara de Santo Tirso, Alberto Costa, “esta nova fase 5.0 do Plano Municipal de Competências Digitais assenta em cinco eixos fundamentais: o relacionamento com os munícipes, a digitalização, o ambiente e a sustentabilidade, a cibersegurança e, como não podia deixar de ser, a formação”. 

Alberto Costa fez, no entanto, questão de frisar que, na verdade, “a implementação deste Plano 5.0 já começou”. Para o comprovar, deu alguns exemplos, como o investimento já realizado na desmaterialização dos processos de obras particulares. 

“Posso, neste ponto em particular, dizer que todo o processo já está informatizado e que temos zero processos pendentes na divisão de urbanismo e zero papel envolvido”, acrescentou. 

Fez também referência à descentralização dos Espaços do Munícipe, que estão já presentes em nove juntas de freguesias do concelho, encontrando-se mais dois, em Rebordões e Roriz, prestes a serem criados. 

Particularmente importante na primeira fase do plano foi o trabalho desenvolvido ao nível da formação, designadamente através do projeto de Mentoria Digital que, com o recurso a jovens voluntários, permitiu capacitar inúmeros seniores de Santo Tirso, colocando-os a “tratar o digital por tu”, realçou Alberto Costa, numa alusão ao slogan da campanha de comunicação que o Governo lançou recentemente, no âmbito do Mês das Competências Digitais que está a decorrer. 

Trata-se, segundo o autarca, de uma área em que Santo Tirso vai continuar a apostar e que integra o novo Plano Municipal de Competências Digitais, cujo investimento previsto para os próximos quatro anos irá ascender dos dois milhões e meio de euros. 

“Se na primeira fase investimos cerca de 700 mil euros, para esta segunda fase do Plano temos previsto investir cerca de dois milhões e meio de euros. Significa isto que o Município de Santo Tirso irá investir, no somatório destas duas fases, cerca de três milhões de euros na transição digital”, destacou. 

Uma parte deste investimento destina-se à criação, em Santo Tirso, dos Bairros Comerciais Digitais, no âmbito do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR), que será “uma medida estimuladora do crescimento económico”. 

“Iremos procurar harmonizar a proximidade e a coesão social, a digitalização dos operadores económicos e dos seus modelos de negócio, a promoção do comércio em linha e a integração digital das cadeias de abastecimento e escoamento”, explicou Alberto Costa. 

Uma outra área de investimento – que, aliás, agradou e mereceu depois um particular destaque por parte do secretário de Estado, Mário Campolago – é a do Ambiente e Sustentabilidade. Segundo o presidente da Câmara, o objetivo do novo plano é “criar um território inteligente, por exemplo ao nível da gestão da iluminação pública, da mobilidade, da segurança, do mobiliário urbano ou da qualidade do ar, entre outros”. 

Simultaneamente, acrescentou, “será feita uma aposta na eficiência energética e na descarbonização dos consumos, designadamente através de uma gestão eficiente dos recursos”. Por um lado, “investindo na eficiência energética dos edifícios públicos e da habitação social, incluindo o conforto térmico”, e, por outro, “investindo na transição para uma economia circular, nomeadamente através da instalação de um sistema inteligente para a monitorização do serviço de recolha seletiva de biorresíduos”. 

“O nosso compromisso está centrado nas pessoas e na qualidade de vida das populações”, concluiu Alberto Costa, deixando uma garantia: “Em Santo Tirso, vamos tratar o futuro por tu!”. O autarca fez, por isso, questão de entregar ao secretário de Estado, numa pendrive, o Plano Municipal de Competências Digitais 5.0, “para que, daqui a quatro anos, possa confirmar a execução desta nossa ambição”. 

Leia também...