Parlamento dos Jovens na Escola da Ponte com deputada do PAN

Bebiana Cunha, deputada do PAN na Assembleia da República, visitou a Escola da Ponte para falar de violência doméstica e no namoro. Elogiando o ambiente que encontrou no estabelecimento, a parlamentar fez saber as propostas do partido para o tema em debate e para o programa nacional intitulado ‘Formação José Pacheco’, como forma de “honrar a história da Escola da Ponte”.

No âmbito do Parlamento dos Jovens, a parlamentar esteve naquela escola de S. Tomé de Negrelos, no concelho de Santo Tirso, a 20 de janeiro, para debater com os jovens o tema “Violência doméstica e no namoro: da sensibilização à ação!”.

“Os estudantes expuseram as suas preocupações e apresentaram várias propostas que visavam a informação e sensibilização para o tema, assim como o aumento de ajuda a pessoas vítimas de violência doméstica. Manifestaram-se muito interessados em poder contribuir para o combate a este flagelo social, sendo evidente uma boa capacidade de expressão de ideias e de motivação para a melhoria dos projetos”, revelou, em entrevista ao JA, a deputada.
Durante a sessão, Bebiana Cunha deu conta do trabalho do PAN desenvolvido sobre o combate à violência doméstica, nomeadamente, a proposta para que sejam criados “tribunais especializados neste tipo de crimes, com vista a acelerar os processos” e evitar que “vítimas tenham que passar anos a fio numa casa-abrigo à espera”.

“Também não esquecemos a importância que os animais de companhia têm para as famílias, sendo necessário que as casas-abrigo possam também passar a acolher os animais que integram a família e que são muitas vezes motivo para se adiar um plano de saída de casa. Aliás, considera o PAN que os animais são frequentemente os primeiros elementos da família a serem alvo de violência, indiciando muitas vezes o risco de violência naquele contexto familiar”, acrescentou a deputada.

Também em discussão de Orçamento do Estado, o PAN já apresentou propostas que visam “uma maior proteção através de apoio jurídico para vítimas de violência doméstica, com reforço das bolsas de horas de apoio judiciário gratuito e a consagração de um modelo de baixa (dez dias), integralmente remunerada, para pessoas vítimas de violência doméstica ou violação”.

À margem da sessão, Bebiana Cunha não escondeu o encanto pela experiência que viveu na Escola da Ponte, a começar pela forma como foi recebida: “Na Escola da Ponte usufruímos de uma visita guiada por dois estudantes: o presidente e a vice-presidente da Assembleia de Escola, que de forma muito natural e explicativa, nos mostrou como funciona esta escola. Foi particularmente positivo o clima escolar que se sentiu, a relação de respeito entre todos, e pela própria escola enquanto contexto físico de segurança, organização e cuidado onde todos se sentem acolhidos”.

Para a parlamentar, a Escola da Ponte “deve servir de referência” para o desenvolvimento de políticas educativas nacionais. “No nosso programa eleitoral, comprometemo-nos a honrar a história da Escola da Ponte e a propor ao Governo um programa nacional intitulado ‘Formação José Pacheco’, por ter sido o primeiro responsável pela transformação desta comunidade educativa, já no final dos anos 70, e porque há muitos docentes interessados em conhecer as estratégias utilizadas para criar comunidades de aprendizagem”, revelou.

PAN tem estrutura montada em Santo Tirso e Famalicão

O PAN ganhou representação em Santo Tirso, com uma comissão política que foi eleita recentemente. Desde então, explicou Bebiana Cunha, “tem promovido ações que contribuem para a sensibilização da comunidade e a reflexão sobre vários problemas da atualidade”. “A título de exemplo, promoveu um debate através da exibição do documentário Cowspiracy. Também tem promovido algumas ações de limpeza, uma vez que para nós é fundamental sermos a mudança que queremos ver no mundo. A equipa tem estado a reunir com organizações e entidades locais, para conhecer melhor a realidade e poder construir de forma alicerçada e com conhecimento de causa uma proposta política para o concelho de Santo Tirso”, declarou.

Atualmente no Porto, para além da comissão distrital, estão formalmente constituídas as comissões políticas concelhias de Santo Tirso, Porto, Vila Nova de Gaia, Gondomar, Valongo, Penafiel, Vila do Conde, estando em processo de formalização as restantes concelhias do distrito.

Em Braga, existem já as comissões políticas de Famalicão, Braga e Guimarães, além da estrutura distrital. No distrito, o processo de afirmação do partido “também tem sido de franco crescimento”, sublinhou a deputada, que apontou para este ano a formalização de “uma série de concelhias”, como a de Barcelos. “Qualquer pessoa que se reveja na nossa visão para a sociedade é bem vinda. Acreditamos que um pequeno grupo de pessoas comprometido, pode efetivamente mudar o mundo”, concluiu.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização