Ministro da Educação inaugura requalificação da Escola Secundária D. Dinis

Depois de um longo período de obras de requalificação, que ficaram marcadas por uma paragem de quase quatro anos, a Escola Secundária D. Dinis foi inaugurada, na manhã de 3 de outubro.

Com pompa e circunstância, com o envolvimento da comunidade escolar e tendo como padrinho o ministro da Educação. Tiago Brandão Rodrigues marcou presença na cerimónia de inauguração da requalificação da Escola Secundária D. Dinis e fez questão de conhecer “os cantos à casa” e ainda falar com professores e alunos. Numa visita “relâmpago”, feita a contar cada batida dos ponteiros do relógio, o ministro não se coibiu de usar alguns minutos para contactar com os alunos. Quebrando o programa da visita, Tiago Brandão Rodrigues entrou numa sala de aula onde jovens do 12.º ano participavam numa aula de Matemática A e ouviu a professora anunciar que estava perante “uma turma com 32 alunos”. À pergunta sobre que futuro pretendem seguir, só um aluno enfrentou a timidez: “Ainda não sei. Tenho que ver a nota final e a média”.
Nos laboratórios, valências que nasceram com esta requalificação, Tiago Brandão Rodrigues gastou alguns segundos a ver um grupo de jovens a manusear equipamentos e pediu “cuidado”. Mais uma turma, desta vez de Artes, que está a ter uma aula de filosofia. O tema é curioso: Filosofia Socrática. Uma oportunidade para o ministro fazer um trocadilho e ganhar a simpatia dos jovens. Uns metros à frente, numa aula de um curso técnico profissional, Tiago Brandão Rodrigues desafiou os alunos a explicar os projetos que estavam a elaborar e que versavam sobre a construção de um habitáculo. “A escola é um habitáculo não é professora?”, questionou o ministro, mostrando que está a par da matéria.
Tiago Brandão Rodrigues e a comitiva seguiram para o exterior, com espaço verde e que, no futuro, terá acesso privilegiado ao Parque de Geão. Aí, assistiram a uma performance de ginástica acrobática de um grupo de alunos e visitaram o recinto desportivo exterior, onde uma turma, aproveitando a manhã soalheira, cumpria a aula de Educação Física.
Mais tarde, o ministro mostrou-se “satisfeito” pela obra. “Vemos aqui uma escola absolutamente requalificada, com todas as condições para que o projeto educativo se realize em plenitude e é fantástico ver muitos dos estudantes a usufruírem plenamente”, frisou.

Direção do Agrupamento e autarquia destacam excelência das instalações
O dia foi de festa, principalmente para aqueles que tiveram de suportar meses de aulas em monoblocos e os incómodos inerentes a uma empreitada daquelas dimensões.
Cláudia Soares lembrou a altura em que chegou à direção do Agrupamento: “A obra estava parada, as aulas eram realizadas em monoblocos e a circulação dentro da escola era muito difícil. Tínhamos de andar à chuva para chegar ao bloco requalificado”.
Por isso, foi com “muita satisfação” que, “a 27 de abril de 2015”, foi informada de que a obra iria retomar. “Fico muito contente com os alunos e com as famílias que sempre acreditaram na escola e mantiveram-se até hoje”, sublinhou.
A obra, que teve início em 2010, parou em 2011, estando quase quatro anos interrompida. Só a 27 de abril de 2015 foi oficialmente reiniciada, tendo terminado em abril deste ano. Meses de “sacrifício” agora recompensados pelas condições proporcionadas à comunidade escolar. “É com muito ânimo que se vê a escola, que é uma referência em Santo Tirso, com boas condições e preparada para o futuro. Ainda não tem tudo, porque precisamos de investir em equipamentos, sobretudo tecnológicos. Temos uma candidatura feita ao Ministério da Educação para a aquisição de material informático, mas ainda precisamos de equipamento de multimédia”, frisou.
Para Joaquim Couto, a escola renovada contribui para subir o nível da educação no concelho. “É um dia de festa porque estamos a dar importância ao sistema educativo com excelentes instalações, que estão ligadas à Biblioteca Municipal e ao Parque de Geão”, destacou.
A autarquia está agora concentrada em melhorar as infraestruturas de outras escolas do concelho. No dia 30 de setembro, Joaquim Couto assinou o acordo de colaboração com o ministro da Educação com vista à obtenção de fundos para a requalificação da Escola 2/3 de S. Rosendo e EB 2/3 de Vila das Aves. O investimento é, segundo a autarquia, de “cerca de dois milhões de euros”. Há ainda mais um milhão para intervenções na Escola Básica Conde S. Bento, Escola Básica de Bom Nome (Vila das Aves) e Escola Básica de S. Martinho (Vila Nova do Campo).
Contudo, o autarca sublinhou que não é só este tipo de intervenção que faz uma boa política de educação e deu o exemplo de medidas adotadas pela Câmara Municipal, como os rastreios da dislexia e do daltonismo, a oferta dos transportes escolares e lanches.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização