https://emac.autosolucoes.pt/

Millenials e Geração Z e o fenómeno das apostas online

Tal como o sol, as apostas online quando nascem são para todos, independentemente da idade, género ou classe social de cada apostador.

Contudo, de acordo com os dados recentemente publicados pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ), entidade que supervisiona e regula a atividade de jogo online em Portugal, são os Millenials e a Geração Z quem mais se sente atraído pelo fenómeno das apostas online.

Segundo o relatório do SRIJ relativo ao 3º trimestre de 2021, último dado a conhecer pela entidade supervisora, os jogadores com idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos, Millenials, representavam 61% do total de jogadores registados. Em segundo lugar aparece a faixa etária dos 18 aos 24 anos, Geração Z, com 21,9% e em terceiro a faixa dos 45 aos 54 anos, Geração X, com 11,8%.

Esta prevalência das gerações mais novas estende-se aos novos registos ocorridos durante o 3º trimestre com cerca de 64,2% dos registos a pertencer a jogadores com idade inferior a 35 anos, uma taxa em linha com aquilo que se vinha a verificar nos trimestres anteriores.

No total dos nove primeiros nove meses do ano, e com forte auxilio das gerações Millenial e Z, foram registados 643,6 mil novos jogadores, valor superior em 199,1 mil novos jogadores do que o registado em igual período do ano passado (444,5 mil) e muito próximo dos 738,3 mil novos jogadores registados durante todo o ano de 2020.

No total, o número total de apostadores nos primeiros nove meses do ano, ou seja, aqueles que realizaram pelo menos uma aposta em jogos de fortuna ou azar ou em apostas desportivas online, ultrapassou os 2 milhões (2,075), mais 743 mil apostadores do que em igual período de 2020 (1,332).

Voltando ao terceiro trimestre de 2021, verifica-se que, do número total de jogadores que realizaram apostas neste período, 39,9% efetuaram apostas exclusivamente em apostas desportivas online, 27,5% jogaram somente em jogos de fortuna ou azar e 32,6% tiveram prática de jogo online em ambas as categorias.

Nascidos no advento ou em plena era digital, as pessoas pertencentes a estas duas gerações habituaram-se a utilizarem os dispositivos móveis para as mais diversas tarefas do seu dia-a-dia, entre as quais se contam as apostas online.

Esta é apenas uma das justificações para a maior taxa de apostadores entre as gerações Millenial e Z, mas não é a única.

Não nos devemos esquecer que a legalização das apostas online em Portugal aconteceu em 2015, novidade que, como todas as novidades, acabou por ser melhor acolhida pelas gerações mais novas e capacitadas para a navegação em meio online.

A isto junta-se ainda a sua uma maior literacia em relação às apostas (há quem faça disto profissão) e os bónus que muitas casas de apostas (como a ESC Online, por exemplo) e portais especializados dão a quem se inicia na arte das apostas online.

Volume de apostas online bate recordes em Portugal

Esta profunda ligação entre as gerações Millenial e Z e as operadoras de jogo online legalizadas, com a ESC, Placard ou Betano, entre outras, acabam por ser determinantes no crescimento sentido pelo setor em Portugal ao longo dos últimos meses e que culminou com um novo recorde em volume de apostas no conjunto dos primeiros nove meses do ano passado.

De acordo com o SRIJ, entre janeiro e setembro de 2021, os apostadores portugueses investiram um montante total de 6,07 mil milhões de euros na atividade do jogo online (jogos de fortuna ou azar e apostas desportivas online), o que significa um aumento de 46,8% face aos 4,13 mil milhões de euros registados em igual período do ano passado.

Em termos de categorias, o grosso das apostas verificou-se nos jogos de fortuna ou azar com5041,7 milhões de euros, mais 45,1% do que no período homólogo do ano passado, enquanto as apostas desportivas online registaram 1025,6 milhões de euros, um valor que, apesar de consideravelmente inferior quando comparado com a dos jogos de fortuna ou azar online, representaram um crescimento de 55,6% face a igual período de 2020.

Estes números, recorde em termos de volume de apostas, acabaram por ter ressonância nas receitas brutas que, no conjunto dos nove primeiros meses de 2021, alcançaram os 367,4 milhões de euros, mais 144,3 milhões de euros do que em igual período de 2020, altura em que o valor total de receitas brutas ascendia a 223,1 milhões de euros.

Contudo, ao contrário daquilo que sucedeu com o volume de apostas, nas receitas brutas as apostas desportivas online surgem na frente com ganhos na ordem dos 186,3 milhões de euros, enquanto os jogos de fortuna ou azar somam, por sua vez, “apenas” 181,1 milhões de euros.

Leia também...