https://autosolucoes.pt/viaturas/

Loja de Santo Tirso entra na revolução ambiental da Mercadona

A revolução iniciada pela Mercadona, que promete ajudar o meio ambiente, já está em marcha na loja de Santo Tirso. O supermercado, inaugurado em 2020, é uma das 72 lojas em Espanha e Portugal que estão a ser adaptadas à chamada “Estratégia 6.25”, que se caracteriza pela implementação de seis ações até 2025, com os objetivos de reduzir 25 por cento do plástico utilizado nos produtos e espaços, conseguir ter todas as embalagens de plástico recicláveis e reciclar todos os resíduos de plástico. Com este compromisso, a Mercadona estima investir 140 milhões de euros.

A primeira das seis ações já está concluída em Santo Tirso. Trata-se da eliminação dos sacos de plástico de uso único em todas as secções. No supermercado estão já disponíveis os sacos compostáveis, feitos de fécula de batata, que devem ser depositados no contentor de lixo orgânico, como se pode atestar pelo pictograma incluído nestes artigos. Nos restantes sacos na linha de caixas, a Mercadona dispõe de três opções de sacos reutilizáveis e sustentáveis. Com esta ação, o retalhista aponta para a redução de 3200 toneladas de plástico por ano.

Mas a estratégia ambiental da Mercadona é já visível noutras secções. No espaço onde o cliente pode recolher sumo de laranja natural, as garrafas utilizadas são, agora, todas feitas com 100 por cento de plástico reciclado. O mesmo se pode verificar na secção de produtos de limpeza do lar.

No sentido de contribuir para a literacia ambiental da comunidade onde está inserida, a Mercadona tem colocado sinalética da respetiva reciclagem nos corredores dos supermercados, como no caso das bebidas em embalagem de plástico.

Entre as seis ações que dão corpo à Estratégia 6.25, estão ainda os objetivos de “eliminar os descartáveis de plástico de uso único; diminuir em 25% o plástico das embalagens; promover o desenvolvimento de embalagens recicláveis/compostáveis; reciclar os resíduos de plástico gerados nas lojas e formar e informar os clientes de como se deve efetuar a separação correta dos resíduos, quer através de informação nas embalagens quer nas lojas”.

A Estratégia 6.25 está a ser implementada tendo em conta “a opinião de clientes e colaboradores”, num período em que foram recebidas “mais de 5000” sugestões. Num processo que quer, constantemente, transparente, a Mercadona atualiza a informação sobre a Estratégia 6.25 na secção “Cuidemos do Planeta” do seu site corporativo. Aqui, o cliente encontra também conteúdos sobre reciclagem, sustentabilidade e o compromisso ambiental da marca.

O ano passado, em março, a Mercadona juntou-se à Smart Waste Portugal para promover a Economia Circular no país, tendo aderido também ao Pacto Português para os Plásticos. Esta plataforma colaborativa pretende fomentar a Economia Circular dos plásticos em Portugal e evitar que estes se transformem em resíduos.

A empresa começou a trabalhar nesta estratégia em 2019, envolvendo todos os seus colaboradores no desafio de “Continuar a Cuidar do Planeta” e tornar os diversos processos da linha de montagem mais sustentáveis. Ainda relacionado com o Sistema de Gestão Ambiental a Mercadona assumiu o Projeto de Distribuição Urbana Sustentável e na melhoria da qualidade do ar nas cidades, através da utilização de camiões e carrinhas propulsados por tecnologias mais limpas e eficientes.

Estas ações inserem-se no extenso plano de Responsabilidade Social do retalhista, que inclui ainda a colaboração com mais de 290 cantinas sociais, 60 bancos alimentares e outras entidades sociais em Portugal e Espanha, às quais doa diariamente e participa em campanhas de recolha de alimentos organizadas pelas mesmas. Em 2020, a iniciativa social da Mercadona cifrou-se em 17 mil toneladas de alimentos, 1200 dos quais em Portugal.

Em Santo Tirso, a Mercadona tem um protocolo com a associação ASAS, à qual entrega, de segunda a sexta-feira, várias caixas compostas por bens essenciais, alimentares e não alimentares.

A Mercadona colabora ainda de forma próxima com 32 fundações e centros ocupacionais na decoração das suas lojas com murais de trencadís (mosaicos típicos do Mediterrâneo), elaborados por mais de mil pessoas com incapacidade intelectual.

Em 2011, o retalhista assinou o Pacto Mundial das Nações Unidas para a defesa dos valores fundamentais em matéria de Direitos Humanos, Normas Laborais, Meio Ambiente e Luta contra a Corrupção.

Leia também...