Joaquim Couto, “tranquilo”, renunciou “para que a justiça possa investigar e não haja nenhuma suspeita”

“Renunciei ao meu mandato e a todos os cargos políticos, porque entendi que nesta situação está em causa a atividade política”. Foi desta forma que Joaquim Couto começou a sua declaração à saída ao tribunal, depois de saber que saía em liberdade, após interrogatório na sequência da Operação Teia.

O agora ex-presidente da Câmara de Santo Tirso explicou que a renunciou a todos os cargos políticos “para que a justiça possa investigar e para que não haja nenhuma suspeita de interposição da minha parte nessa investigação, para que seja tudo claro e transparente”.

“A justiça deve ser célere, justa. Se houver acusação, estarei cá com a mesma tranquilidade que estou hoje. Estou tranquilo em que não cometi nenhuma coisa irregular que mereça reprovação”, disse ainda,

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização