Auto Soluções- Campanha verão 2022

“Inevitável”. Cerealis admite subida previsível dos preços dos alimentos já nas “próximas semanas”

“É previsível que durante as próximas semanas (curto prazo) o impacto nos preços dos alimentos em geral seja inevitável”, disse à Lusa João Paulo Rocha, diretor de comunicação da cerealis, com instalações na Trofa, Maia, Porto, Coimbra e Lisboa.

No caso da Cerealis, também devido ao efeito da guerra na Ucrânia e aos impactos adjacentes, poderá haver subidas “nas massas, nas farinhas, nos cereais de pequeno-almoço e nas bolachas”, áreas de atividade da empresa.

“Em termos de impacto direto nos preços aos consumidores, é algo que nós não dominamos pois estamos no início da cadeia de abastecimento ao mercado”, ressalva, no entanto, João Paulo Rocha, já que a Cerealis não vende diretamente ao público.

Quanto às subidas de preços verificadas diretamente pela empresa, estas são “são transversais por efeitos diversos — das matérias-primas (cereais, óleos), dos materiais de embalagem, da logística (petróleo) e, muito importante, do custo da energia (gás e eletricidade)”.

Apesar da Cerealis não importar diretamente da Rússia, Bielorrússia e Ucrânia, mas sobretudo da União Europeia (UE), o responsável assinala que dada a importância dos mercados de leste, “os efeitos do atual quadro de guerra, sanções e bloqueio da atividade nos portos da região, são de fortíssimas subidas de preços e dificuldades de abastecimento pelo acréscimo de procura de importadores normalmente abastecidos por estes países”.

Segundo a Cerealis, no trigo “a Rússia é o primeiro exportador mundial” e, juntamente com a Ucrânia, os dois países “representam 29% do total das exportações”; no milho “a Ucrânia é o principal fornecedor da UE e quarto exportador mundial”; e nos óleos vegetais “Rússia e Ucrânia são responsáveis por 80% das exportações mundiais de óleo de girassol”, a que se adicionam as subidas no petróleo e gás natural também agudizadas pela guerra.

“Os principais mercados de futuros sobre estas ‘commodities’ [matérias-primas] registaram, em poucos dias, subidas muito expressivas de preços”, assinala João Paulo Rocha, dando como exemplo que desde o início da guerra o trigo encareceu 33% e o gás natural 100%.

Segundo o responsável da Cerealis, “o indexante do trigo, que é referência base do mercado europeu, que é o MATIF, está a cotar no seu nível máximo de sempre”.

Quanto aos óleos, a dependência dos mercados russo e ucraniano a nível mundial no girassol, leva a que existam “impactos de contágio em diferentes tipos de óleos, que são óleos que são utilizados em vez do girassol”.

“Nós neste momento estamos a gerir ‘stocks’ [existências], abastecimento, e de facto garantir que toda a nossa cadeia funcione, toda a cadeia de abasecimento desde o fornecimento ao abastecimento ao mercado, independentemente do custo”, disse João Paulo Rocha à Lusa.

Na quinta-feira, os preços do trigo e do milho subiram mais de 20 euros nos mercados europeus, enquanto a invasão da Ucrânia pela Rússia impede Kiev de exportar os grãos de cereais que permanecem nos silos.

A moagem de trigo e milho registou uma nova alta de preços no mercado europeu, encerrando nos 381,75 euros e 379 euros por tonelada nos prazos de março, respetivamente, com a guerra na Ucrânia a provocar receios quanto à oferta de grãos.

Leia também...