https://emac.autosolucoes.pt/

Famalicão recebe Festival de Teatro Amador

A 15.ª edição do Festival de Teatro Amador Terras de Camilo tem início dia 26 de fevereiro e só termina no último dia de abril. Até lá, o Centro de Estudos Camilianos, em Famalicão, vai ser palco de espetáculos todos os fins de semana.

Esta iniciativa é organizada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em parceria com o Grupo de Teatro Amador Camiliano, Grutaca, com a colaboração da Casa Camilo- Museu/Centro de Estudos Camilianos e este vai receber 13 companhias de teatro amador de vários pontos do país.

As sessões vão decorrer todos os sábados, pelas 21h30, e aos domingos, pelas 16h00.

O Festival tem início dia 26 de fevereiro, pelas 16h00, na Casa da Junta de Seide, em S. Miguel, com a inauguração da Exposição “Máscaras e Caretos”. Esta é uma exposição que conta com trabalhos artísticos de crianças da EB1 e JI de Seide, EB1 e JI de Lagoa, Grupo Infantil e Juvenil Santiago de Gavião e Grupo Infantil e Juvenil Danças e Cantares de Joane.

O arranque das performances propriamente ditas é dado pelas 21h30, onde o Grupo de Teatro A Flor de Aldriz, de Santa Maria da Feira, vai apresentar a peça “O Casamento” de Nicolai Gogol.

No fim de semana de 5 e 6 de março, o Grupo Dramático Recreativo da Retorta, de Valongo, sobe ao palco com “A importância de ser Ernesto”, de Oscar Wilde, e o Núcleo de Teatro da Associação Cultural de Vermoim– NUTEACV, de Famalicão apresenta a peça “O Regresso das Vaginas”, da autoria do próprio NUTECAV.

Na semana a seguir, o Grupo de Teatro Palha de Abrantes exibe “O Aniversário”, uma adaptação do texto de Spiro Scimine, dia 12 de março. Já no dia 13, o palco é invadido pela Companhia de Teatro Água Corrente de Ovar, Contacto, com a peça “Falar Verdade a Mentir”, de Almeida Garrtett.

Dia 26 de março, o grupo famalicense Greculeme – Grupo Recreativo e Cultural de Lemenhe apresenta “Maldição de Mãe”, de Isabel de Oliveira Martins e no dia seguinte, 27 de março, a peça “As Minhas MAIS… Marionetas”, de Manuel Dias, sobe a palco pelo grupo TRULÉ, Investigação de Formas Animadas, de Évora.

O mês de abril inicia com a peça “Aniversário de Casamento”, de Fernando Pinheiro apresentado pela Nova Comédia Bracarense dia 2 desse mês.

No fim de semana seguinte, uma performance do Teatro Renascer de Esmoriz vai a palco com “Trincheira Central”, de Felipe Silva, no dia 9 de abril. Já no dia 10, as cortinas abrem-se para a companhia viseense AFTA, Associação Fomento Teatro Amador, que através do Grupo Off exibe “O Crime da Aldeia Velha”, de Florbela de Sá Cunha, baseado no texto homónimo de Bernardo Santareno.

Dia 23 de abril, o Teatro Olimpo, de Leiria, questiona “Quem és tu, José?”, de Mário Silva André e no domingo, dia 24, o Grupo de Teatro Casca de Nós, da Associação Académica e Cultural de Ermesinde, apresenta “Enquanto Espero Desespero”, de Mário Sá.

O Festival encerra esta 15.ª edição no dia 30 de abril, com exibição do grupo anfitrião, Grutaca, com a peça “Entre a Flauta e a Viola”, de Camilo Castelo Branco.

Todos os espetáculos do festival têm entrada livre até à lotação do espaço. É exigido o cumprimento de todas as regras sanitárias em vigor.

Ana Isabel Fernandes

Leia também...