https://autosolucoes.pt/

Famalicão e APE distinguem José Viale Moutinho, Francisco Duarte Mangas e Helena Carvalhão Buescu

Os escritores José Viale Moutinho, Francisco Duarte Mangas e Helena Carvalhão Buescu receberam esta segunda-feira, os Grandes Prémios de Conto Camilo Castelo Branco 2018 e 2019 e o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho 2019, respetivamente.  A cerimónia decorreu na sede da Associação Portuguesa de Escritores (APE), em Lisboa, e contou ainda com as presenças do presidente da APE, José Manuel Mendes e do vereador da Cultura e da Educação do município de Vila Nova de Famalicão, Leonel Rocha.

José Viale Moutinho foi galardoado com o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco, em 2018, pela obra “Monstruosidades do Tempo do Infortúnio”, enquanto Francisco Duarte Mangas venceu a edição de 2019 com “Pavese café Ceuta”. Já Helena Buescu conquistou o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho com “O Poeta na cidade – A Literatura na História”.

Numa cerimónia, praticamente sem convidados e sem jornalistas, num ano completamente atípico, marcado pela pandemia da Covid 19, José Manuel Mendes abriu a sessão referindo que “esta é uma cerimónia singular e, ao que se deseja, irrepetível”, pelo “inusitado contexto pandémico”.

Apesar disso, a sessão não deixou de se realizar e os vencedores “aplaudidos e reconhecidos”, como afirmou José Manuel Mendes. O responsável da APE sublinhou ainda a parceria entre “a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, cujo incremento de notáveis realizações nas áreas criativas é bem reconhecido à escala do país, patrocinadora dos Grandes Prémios do Conto e de Ensaio Camilo Castelo Branco e Eduardo do Prado Coelho, e a Associação Portuguesa de Escritores, validando, prosseguindo, enriquecendo um diálogo muito cordial que vai tateando os 30 anos”.

Por sua vez, Leonel Rocha destacou a importância da cultura e da educação em contexto Covid 19. O autarca referiu que o município de Famalicão “tem insistido nesta aposta reconhecendo a sua relevância para o território e para os famalicenses”. “Somos inegavelmente um concelho industrializado, mas representamos ao mesmo tempo um cluster cultural e artístico de grande relevo. Temos no concelho quatro companhias de teatro profissional, companhias de circo e de dança, bandas de música de renome, escolas artísticas. Temos uma programação cultural contínua através da Casa das Artes, da Casa de Camilo e da Fundação Cupertino de Miranda e vamos continuar sempre a investir e a insistir na cultura”, afirmou.

Instituído em 1991, ao abrigo de um protocolo entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e a Associação Portuguesa de Escritores (APE), o Grande Prémio do Conto destina-se a galardoar uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de um país africano de expressão portuguesa, com um prémio de 7.500 euros.

O Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho tem como objetivo recordar a importância do escritor no debate de ideias o seu contributo na promoção da cultura e o seu exemplo de cidadania. Ao mesmo tempo, incentivar a criação de trabalhos na área do ensaio literário, mobilizando os meios académicos e literários do nosso País. Foi instituído em 2010 e tem o valor pecuniário de 7.500 euros.

Leia também...