Empresas famalicenses acolhem alunos para miniestágios

Luísa Silva, 15 anos, é um dos 46 alunos famalicenses a quem a Rede Famalicão Empreende está a proporcionar uma primeira e real experiência no desempenho de uma atividade profissional. Este é o objetivo dos miniestágios que ontem tiveram início num conjunto alargado de empresas famalicenses.

Os jovens estagiários são alunos do 8º e 10º anos de escolaridade dos dez estabelecimentos de ensino do concelho que integram a Rede e quem os acolhe são 12 empresas que garantem diversidade de sectores de atividade. A saber: Continental Mabor, Riopele, Coindu, Hidrofer, S. Roque, Fibrosom, Caixiave, Primor, Argatintas, Amândio Carvalho, CEVE e Famasete.

Durante um dia, até à próxima sexta-feira, estes 46 alunos (20 do 8º ano e 26 do 10º) vão assim tomar o pulso à realidade diária de uma empresa, sob orientação dos seus responsáveis, assistindo às atividades e tarefas que caracterizam essa realidade nas diferentes áreas.

Foi na Continental Mabor que a Luísa passou o dia de ontem para um miniestágio que classificou como “enriquecedor e surpreendente”. Teve a oportunidade de aprender como esta empresa de referência mundial fabrica um pneu. Mas não só. Viu como se faz um plano de formação para estagiários e a revisão dos descritivos de funções dos colaboradores. E aprendeu ainda as regras de segurança industrial e ambiental no contexto de um plano de emergência.

À pergunta qual foi o momento que mais a surpreendeu a jovem estagiária foi perentória na resposta: “Foi o processo de produção dos pneus, que é muito complexo”. A Luísa, que acaba de concluir o 10º ano do curso de Línguas e Humanidades na Escola Secundária Camilo Castelo Branco, enaltece ainda o ambiente proporcionado pela Continental Mabor. “Foram todos muito simpáticos e divertidos comigo. Senti-me sempre confortável”, desabafou.

Criada em 2010, a Rede Famalicão Empreende envolve um conjunto de parceiros locais e regionais, nomeadamente empresas, escolas, entidades de desenvolvimento local e regional e a Câmara Municipal, que procuram ser indutores do desenvolvimento, estimulando o empreendedorismo e proporcionando um ecossistema facilitador do aparecimento de novas ideias empreendedoras e empresas.

Ao abrigo da Rede Famalicão Empreende foram criados programas como “A Empresa na Escola” ou “O Meu Projeto é Empreendedor” que têm chegado a milhares de alunos.

Obrigado por ler esta notícia

Veja tambem