Câmara de Famalicão está a rastrear utentes dos lares e a ARS os funcionários

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão concluiu ontem o processo de rastreio aos 827 utentes dos Lares de idosos, Unidades de Cuidados Continuados e Lares Residenciais de Apoio à Deficiência. A operação foi incluída no programa “Proteger Famalicão” que está a preparar a comunidade famalicense para um regresso à vida social com a maior segurança possível, com base num diagnóstico da população relativamente à doença, muito particularmente dos sectores a ela mais vulneráveis.

A operação foi desencadeada há uma semana resultado de um acordo estabelecido entre a autarquia e a ARS Norte, entidade que ficou responsável pela execução dos testes aos funcionários destas instituições. A este nível foram realizados 827 testes. Os resultados serão conhecidos depois de concluído todo o processo.  

Os testes aos utentes foram realizados através de meios logísticos disponibilizados pela Câmara e de três enfermeiros do Hospital Narciso Ferreira, de Riba de Ave, que ficaram responsáveis pela recolha das amostras.  Foram abrangidas pelos testes 26 instituições famalicenses. As análises, custeadas pelo município, foram realizadas pelo laboratório Unilabs. Já os testes realizados aos funcionários a recolha ficou a cargo da Cruz Vermelha Portuguesa e as análises estão ser processadas pelo Instituto de Medicina Molecular. 

“A Câmara decidiu não esperar mais para que  o programa nacional de rastreio aos lares portugueses chegasse a Famalicão, tendo avançado com este processo depois de conseguir meios humanos e técnicos capazes de garantir, com o apoio médico do Hospital de Riba de Ave e do apoio técnico de um laboratório particular”,refere o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, salientando que o desenvolvimento da operação também “só fez sentido depois da parceria com a ARS que arrancou em simultâneo com os testes aos funcionários”.

Ao longo do processo estão a ser tomadas todas as medidas necessárias de proteção individual e coletiva que se impõem como necessárias.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização