Cabeleireiros, stands automóveis, livrarias e lojas até 200 metros quadrados abrem segunda-feira – Restaurantes ainda não

As lojas de pequeno comércio até 200 metros quadrados e, independentemente da dimensão, os cabeleireiros, os stands automóveis e as livrarias abrem a partir de segunda-feira, 4 de maio, anunciou o Governo aos parceiros sociais esta quarta-feira.

Está ainda planeada uma abertura gradual e as próximas datas a reter são 18 de maio e 1 de junho.

Na primeira, se a evolução da pandemia o permitir, reabrem as lojas até 400 metros quadrados. No início de junho as restantes.

Rui Rio diz que restaurantes ainda não vão abrir

 O presidente do PSD afirmou hoje que aquilo que o Governo tem desenhado para a primeira fase do período pós-estado de emergência é que abram “lojas de rua de tamanho mais reduzido”, estando os restaurantes para já excluídos.

No final de cerca de duas horas de reunião com primeiro-ministro, António Costa – que hoje está a receber todos os partidos com assento parlamentar para uma ronda de audições sobre o calendário e plano de retoma devido à pandemia de covid-19 – Rui Rio foi questionado sobre qual o plano do executivo.

“Não me compete a mim dizer aquilo que o Governo vai fazer nem me compete a mim dizer tudo aquilo que lá dentro o Governo nos disse, até porque o Governo ouviu o PSD, nós fizemos as nossas sugestões também relativamente à forma como as coisas podem abrir, e vai ouvir agora sugestões dos outros partidos e depois há de haver um modelo final e nesse é que depois havemos de dar a nossa opinião”, começou por referir.

O líder do PSD adiantou que aquilo que “grosso modo está desenhado é abrirem agora algumas lojas de rua de tamanho mais reduzido”, mas questionado sobre se os restaurantes poderão abrir também a 04 de maio respondeu que “ainda não”.

“Não as grandes lojas, mas aquelas onde não há grandes acumulações de pessoas e depois ir gradualmente, a 18 de maio, alargar o tipo de lojas que podem abrir. Em paralelo também mais alguns negócios. barbeiros, cabeleireiros, mas isso eu acho que deve ser o primeiro-ministro e o Governo a dizer aquilo que vão fazer e acima de tudo em definitivo”, respondeu.

De acordo com Rio, o PSD sugeriu que a “utilização obrigatória de máscaras em lojas, em espaços fechados”.

“O governo acolheu esta nossa sugestão. Não sei se no fim do dia ela fica ou não fica”, adiantou.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização