Aves perdeu no Moreirense

Um golo de Loum, aos 76 minutos, bastou aos ‘cónegos’ para continuarem a fazer história no principal escalão do futebol português. Com esta vitória, se forem excluídas as três primeiras jornadas, o Moreirense fixa dados inéditos na sua história: nunca tinha alcançado o quinto lugar e nunca tinha vencido por quatro vezes consecutivas.

Este triunfo também significa uma soma de nove vitórias na I Liga e ainda antes de fechar a primeira volta, outro dado surpreendente no clube do concelho de Guimarães, que na última época ganhou em toda a temporada apenas oito vezes.

O Moreirense, aproveitando a derrota do Vitória de Guimarães (perdeu no Jamor por 1-0), vizinho com o qual se vai encontrar na sexta-feira no arranque da próxima jornada, assumiu o quinto lugar, com 28 pontos.

Já o Desportivo das Aves, que conta com cinco derrotas e um empate nas últimas seis rondas, ocupa o 17.º e penúltimo lugar, com 11 pontos, estando em zona de despromoção.

Do lado do Moreirense, nota para uma substituição face ao ‘onze’ que iniciou o jogo em que bateu o Rio Ave em Vila do Conde (2-1): Nenê no lugar de Bilel. Também José Mota operou uma única mudança em relação à equipa que recebeu e perdeu com o FC Porto (1-0), ao colocar Nildo de início no lugar de Amilton.

Num jogo interessante entre rivais, e com duelos e picardias em campo e nas bancadas, começou melhor o Desportivo das Aves, com Vítor Gomes a rematar aos cinco minutos para defesa de Jhonatan.

Na resposta dos vimaranenses, Heriberto rematou cruzado, contra o corpo de Beunardeau, aos 12 minutos, mas o Aves voltou a ameaçar num tiro Rodrigo, a testar a atenção de Jhonatan, aos 22.

A grande oportunidade da primeira parte estava reservada para os 27 minutos e teve como protagonista o guardião francês dos forasteiros. Beunardeau negou o golo a Heriberto, desviando um grande remate para o poste, e depois a deteve recarga de Nenê.

O mesmo Nenê voltou a cabecear, aos 32, mas viu outra vez o guardião do Aves ‘agigantar-se’.

Antes do intervalo ainda se ouviu gritar golo em Moreira de Cónegos, mas Jorge Felipe rematou em posição de fora de jogo (43 minutos).

Na segunda parte, Moreirense e Desportivo das Aves regressaram com igual veia aguerrida e, ainda que mantivessem a tendência de uma partida muito jogada no meio-campo, intensificaram o cerco às balizas adversárias, mas também diminuíram a eficácia no último passe.

Rúben Lima teve tudo para marcar aos 59, mas depois de receber a bola na perfeição e de estar enquadrado com a baliza, foi desarmado de forma cirúrgica por Baldé. Do lado oposto, Nildo rematou de pé esquerdo, mas Jhonatan ‘salvou’ (66).

O golo acabou por surgir e sorrir à equipa mais organizada e com mais posse de bola. Aos 76 minutos, Loum completou com um remate ‘seco’, mas certeiro, um bom passe de Heriberto, numa jogada que começou com o senegalês do Moreirense a intercetar a bola junto de Hamdou Elhouni.

Até ao final do encontro, foi o Moreirense quem esteve mais perto do segundo golo, enquanto o Desportivo das Aves apostava em lançamentos e passes longos para a área contrária.

A três minutos do final do tempo regulamentar, Heriberto, com um livre direto que saiu ao lado, quase fazia o 2-0. Mesmo em cima do minuto 90, Texeira desperdiçou um golo certo ao atirar para defesa de Beunardeau quando estava isolado.

Veja também...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização