Select Page

Aves perdeu no Dragão frente ao Porto

Aves perdeu no Dragão frente ao Porto
O FC Porto venceu hoje o Desportivo das Aves, por 4-0, em partida da 32.ª jornada da I Liga de futebol, e mantém a pressão ao líder do campeonato, o Benfica, na luta pelo título.

Os ‘dragões’, mesmo sem deslumbrar, acabaram por construir um triunfo tranquilo e pragmático, alicerçado nos golos de Corona, aos 18 minutos, de Manafá, aos 68, e num ‘bis’ de Soares, que marcou aos 30, de grande penalidade, e aos 70.

Com este desfecho, o FC Porto mantém o segundo lugar, agora com 79 pontos, menos dois do que os ‘encarnados’, que também venceram esta jornada, enquanto que o Aves, mesmo perdendo, ainda conserva uma almofada de cinco pontos para os lugares de descida, seguindo com 36.

Depois do ‘tropeção’ frente ao Rio Ave, na última jornada, no empate por 2-2, Sérgio Conceição, técnico dos ‘dragões’ retocou a equipa e, além de lançar na baliza Vaná, devido à indisponibilidade de Casillas, deixou, neste jogo, Pepe no banco, apostando na titularidade de Manafá no lado direito da defesa, derivando Éder Militão para o eixo.

A partida até começou numa toada morna, com o Aves a não querer arriscar em demasia e os ‘azuis e brancos’ a não conseguirem impor rotação ao seu futebol, fazendo com que os únicos momentos de desequilíbrio surgissem, em inconsequentes remates de longe.

Aos 18 minutos, e aproveitando uma desatenção da defesa visitante, o FC Porto, mesmo sem forçar muito, inaugurou o marcador, num golpe de cabeça de Corona, a desviar um cruzamento de Alex Telles para zona desprotegida.

O Aves tentou responder à contrariedade, explorando a velocidade pelas alas, onde Luquinhas surgia como elemento mais desequilibrador, mas o último passe era, quase sempre, uma pecha da equipa de Augusto Inácio, mantendo a bola longe da baliza de Vaná.

Já perto da meia-hora, novo revês para os avenses, desta feita num corte com o braço do central Jorge Fellipe na sua área, que, num primeiro momento, o árbitro Hugo Miguel não percebeu, mas que com recurso ao VAR apontou para a marca de grande penalidade, onde Soares não desperdiçou o 2-0.

Logo após o reatamento, a equipa de Augusto Inácio até dispôs de uma das suas melhores oportunidades da noite, num remate de Derley, que Vaná respondeu com boa defesa.

O atrevimento foi, ainda assim, insuficiente para intimidar os ‘dragões’, que não demoraram em assumir, de novo, o controlo das operações, mas sem nota artística, tentando resolver o jogo com remates de longe, nomeadamente por Brahimi e Alex Telles.

A eficácia da equipa de Sérgio Conceição só regressaria aos 68 minutos, numa jogada de insistência trabalhada por Marega, que ofereceu o 3-0 a Manafá.

O tento voltou a animar as bancadas do Dragão e a equipa, que, dois minutos depois, deu tons de goleada à vantagem, numa jogada onde Marega e Corona não conseguiram superar o guarda-redes avense, mas em que Brahimi acreditou e com um toque acrobático deixou a bola para Soares fazer o quarto golo.

Com o resultado ‘feito’, o FC Porto geriu, sem grande oposição do Aves, o resto do jogo, havendo tempo para o regresso de avançado Aboubakar, que voltou à competição depois de se ter lesionado em setembro do ano passado.

Lusa

Videos

Loading...

Siga-nos

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização