https://autosolucoes.pt/campanhas/

Vídeo – António Costa usa fundos da “bazuca” para a variante à EN14

O primeiro-ministro anunciou, há minutos, no âmbito da apresentação do Plano de Recuperação e Resiliência, que vai utilizar fundos oriundos da chamada “bazuca” para construir a variante à Estrada Nacional 14.

Este investimento surge, segundo António Costa, com o objetivo de reduzir “custos de contexto”. Reconhecendo que a situação da EN14 é “crítica”, o governante anunciou uma intervenção no sentido de melhorar esta acessibilidade.

“Já vimos, sucessivas vezes, todo o mundo empresarial a protestar contra o estado em que está a Estrada Nacional 14, a Continental é uma das aliadas mais vocais, reclamando o estado em que se encontra essa infraestrutura e é um investimento que vamos fazer”, referiu o primeiro-ministro.

Recorde-se que a construção da variante à Estrada Nacional 14 foi dividida em fases, uma delas em Famalicão e outra na Maia, já executadas. Falta agora a ligação entre a Maia e a Trofa e entre a Trofa e Vila Nova de Famalicão, esta última com a construção de uma nova ponte sobre o rio Ave.

Este investimento estará no pacote de “investimento direto nas empresas”, constante do PRR, com valor estimado de 4909 milhões de euros.

No documento da consulta pública do PRR, é possível verificar que tanto ambas as ligações que faltam estão inseridas no pacote “Missing links e Aumento de capacidade da Rede”, cujo investimento ronda os 362,9 milhões de euros e que inclui outras 15 obras, entre elas o aumento da capacidade na ligação entre Sines e a A2, a variante nascente de Évora (IP2), intervenções no IC35 (entre Penafiel, Rans, Entre-os-Rio e entre Sever do Vouga e o IP5), ligação de Baião a Ponte de Ermida, o eixo rodoviário Aveiro-Águeda e variante a Olhão (EN125).

O Plano de Recuperação e Resiliência 2021-2026 vai ser apresentado à Comissão Europeia já na próxima semana, anunciou o ministro do planeamento, Nelson Souza, que esta sexta-feira, referiu que após “intensas interações e negociações com a Comissão Europeia”, o Governo chegou “muito perto do momento da submissão”.

Leia também...