Agência Portuguesa do Ambiente investe 100 mil euros na reabilitação do rio Este, em Famalicão

Agência Portuguesa do Ambiente investe 100 mil euros na reabilitação do rio Este, em Famalicão

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) vai investir 100 mil euros na reabilitação e valorização do rio Este, que atravessa as freguesias de Arnoso, Nine e Louro, no concelho de Vila Nova de Famalicão. O objetivo é criar um corredor ecológico pedonal e ciclável que ligue o Mosteiro de Arnoso Santa Eulália até à ciclovia, em Gondifelos.

O investimento nacional surge no âmbito do projeto “Os Nossos Rios”, promovido pela autarquia. O protocolo de colaboração entre a APA e a Câmara Municipal de Famalicão que foi celebrado no passado mês de dezembro, visa promover a prevenção e defesa da margem deste troço do rio Este, com a recuperação e valorização da zona envolvente tendo em vista a proteção e salvaguarda de pessoas, infraestruturas e bens; a defesa da galeria ripícola; evitando a erosão fluvial do leito e das margens e garantindo condições de escoamento da água, em situações normais e extremas.

De acordo com o vereador do ambiente do município, Pedro Sena, “trata-se de um investimento muito importante da APA no nosso concelho”, cabendo à autarquia a execução da intervenção.

“O projeto incide sobre a recuperação do leito do rio e das margens e, neste âmbito, temos vindo a trabalhar com os proprietários dos terrenos ribeirinhos, pois o objetivo é criarmos um corredor pedonal e ciclável que ligue o Mosteiro de Arnoso Santa Eulália até à ciclovia, em Gondifelos”.

Com esta ação, a autarquia quer que a população possa usufruir do rio a partir das suas margens. Pedro Sena admite que esta é, também, uma forma de manter a vigilância do rio.

Refira-se que o projeto “Os nossos Rios” foi lançado em 2016, pela autarquia famalicense e pela APA, visando a proteção do ambiente e a promoção do património natural do concelho. As áreas de intervenção são Rio Este, Guisande, Pele, Pelhe e Ave, levando à reabilitação dos cursos de água e património envolvente, estabelecendo-se como princípio a valorização dos leitos e das margens fluviais como elementos fundamentais da dinâmica ecológica e paisagística.

Videos

Loading...

Siga-nos

1ª pagina edição Papel

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização