50% dos portugueses com sintomas não cumpre quarentena

A Deco Proteste avisa que, mesmo com a abundância de informação sobre a disseminação do novo coronavírus e a consecutiva difusão das medidas de prevenção de contágio, parte significativa da população não está a cumprir as regras.

De acordo com os números examinados pela associação, 9% dos portugueses questionados manifestaram ter tido, pelo menos, um dos sintomas específicos de Covid-19 (febre, tosse seca ou dificuldade respiratória), nos últimos 15 dias, mas 77% não comunicaram os serviços de saúde e metade confessou não cumprir a quarentena.

Somente 12% dos que manifestaram sintomas ficaram em casa, não saindo em nenhuma altura.

Com o surgimento de sintomas duvidosos, as indicações da Direção-Geral da Saúde (DGS) são precisas: ligar para a linha SNS 24 e seguir as indicações. Só 13% dos inquiridos o fizeram e 7% admitiu ter recorrido às urgências, arriscando contagiar outras pessoas, no caso de estarem infetadas.

A regra para ficar em casa não é exclusivamente para quem apresenta sinais de doença. Nos dias que correm, a população deve ficar nas suas casas, sendo concedido a saída em circunstâncias específicas, como ir trabalhar, ao supermercado, à farmácia ou passear animais.

O estudo da Deco Proteste foi feito entre 18 e 20 de março através e um questionário online com uma amostra de 1002 respostas da população adulta portuguesa.

Quando a Deco Proteste realizou este inquérito, as limitações do estado de emergência, até então, não estavam em vigor, porém o isolamento social já era vigorosamente acautelado. Contudo só 68% indicaram cumprir à risca o conselho relativo à permanência em casa. Em Lisboa, parece haver um pouco mais de cuidado por aquelas normas do que no Porto: 74% dos lisboetas que as seguem à risca, contra 67% dos portuenses.

O inquérito da Deco Proteste aponta de igual forma que, desde o início das limitações à mobilidade, 17% dos questionados expressam que estão aborrecidos com frequência e 8% expõem a solidão que vivem, estando os sentimentos mais comuns entre os mais novos, em especificamente em idades abaixo dos 38 anos.

Portugal tem 76 mortes confirmadas devido ao Covid-19 e 4268 casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da DGS.

Os primeiros casos confirmados de infeção com o vírus Covid-19 em Portugal foram registados no dia 2 de março.

Portugal decretou estado de emergência até 2 de abril.

A Deco Proteste avisa que, mesmo com a abundância de informação sobre a disseminação do novo coronavírus e a consecutiva difusão das medidas de prevenção de contágio, uma grande parte da população não está a cumprir as regras.

De acordo com os números examinados pela associação, 9% dos portugueses manifestaram ter tido, pelo menos, um dos sintomas específicos de Covid-19 (febre, tosse seca ou dificuldade respiratória), nos últimos 15 dias, mas 7% não comunicaram os serviços de saúde e metade confessou não cumprir a quarentena.

Somente 12% dos que manifestaram sintomas ficaram em casa, não saindo em nenhuma altura.

Com o surgimento de sintomas duvidosos, as indicações da Direção-Geral da Saúde (DGS) são precisas: ligar para a linha SNS 24 e seguir as indicações. Só 13% dos inquiridos o fizeram e 7% admitiu ter recorrido às urgências, arriscando contagiar outras pessoas, no caso de estarem infetadas.

A regra para ficar em casa não é exclusivamente para quem apresenta sinais de doença. Nos dias que correm, a população deve ficar nas suas casas, sendo concedido a saída em circunstâncias específicas, como ir trabalhar, ao supermercado, à farmácia ou passear animais.

O estudo da Deco Proteste foi feito entre 18 e 20 de março através e um questionário online com uma amostra de 1002 respostas da população adulta portuguesa.

Quando a Deco Proteste realizou este inquérito, as limitações do estado de emergência, até então, não estavam em vigor, porém o isolamento social já era vigorosamente acautelado. Contudo só 68% indicaram cumprir à risca o conselho relativo à permanência em casa. Em Lisboa, parece haver um pouco mais de cuidado por aquelas normas do que no Porto: 74% dos lisboetas que as seguem à risca, contra 67% dos portuenses.

O inquérito da Deco Proteste aponta de igual forma que, desde o início das limitações à mobilidade, 17% dos questionados expressam que estão aborrecidos com frequência e 8% expõem a solidão que vivem, estando os sentimentos mais comuns entre os mais novos, em especificamente em idades abaixo dos 38 anos.

Portugal tem 76 mortes confirmadas devido ao Covid-19 e 4268 casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da DGS.

Os primeiros casos confirmados de infeção com o vírus Covid-19 em Portugal foram registados no dia 2 de março.

Portugal decretou estado de emergência até 2 de abril.

Carolina Silva/CV/com Lusa

Obrigado por ler esta notícia

Veja tambem