10 milhões para o Plano da Rede Pública de Água no Vale do Leça (c/ vídeo)

O plano de Investimentos na Ampliação da Rede Pública de Água no Vale do Leça foi apresentado na manhã do dia 26 de abril, na Reguenga.
Em causa está um investimento de cerca de dez milhões de euros, do qual 6,9 milhões de euros dizem respeito a uma cobertura de 95 por cento da população de Monte Córdova, Água Longa, Reguenga, Agrela, União de Freguesias de Lamelas e Guimarei e União de Freguesias de Carreira e Refojos. No total, a rede de abastecimento vai permitir a construção de aproximadamente 104 quilómetros de condutas domiciliárias, num total de três mil ramais. A outra parte do investimento, 2,7 milhões de euros, tem prevista a construção de três depósitos de água em alta. A par dos investimentos feitos em outras zonas do território tirsense , “se correr bem, num horizonte de dois a quatro anos”, adiantou Joaquim Couto, edil tirsense, prevê-se que todo o concelho disponha de infraestruturas de rede pública de água e de esgotos. Martins Soares, vice-presidente da Águas do Norte, explicou que, “além da responsabilidade pelo saneamento, pela recolha e encaminhamento para tratamento das águas residuais”, a Águas do Norte vai, também, “ter a responsabilidade pelo abastecimento e distribuição da água para consumo humano”. Para isso, precisa de “ trazer condutas e reservatórios para disponibilizar água de qualidade para esta região”.
Joaquim Couto realçou ainda que “na zona do Vale do Leça todas as habitações têm sistemas individuais de abastecimento de água”, mas nem todos são controlados devidamente. O presidente tirsense considera esta uma questão de saúde pública e, como tal, “ a Câmara Municipal tem tentado a pouco e pouco eliminar os sistemas individuais de abastecimento de água e tem tentado substitui-los pela rede pública”. Assim se justifica um investimento de cerca de dez milhões de euros para que “num futuro próximo, até 2020, toda a população se abasteça através da rede pública de água, que é controlada”. No passado, quem quisesse fazer a ligação via-se obrigado a pagar “uma verba avultada” e, por isso, “as pessoas geralmente não a faziam. Mas, “com a parceria, estas ligações, até 20 metros, são, agora, gratuitas”, explica o vice-presidente da Águas do Norte, Martins Soares, que considera que seria útil a existência de “campanhas de sensibilização para a necessidade de se fazer a ligação, quer nos esgotos quer na água”. “Estamos convencidos de que a grande maioria das pessoas fará a adesão ao serviço”, acrescentou. No espaço de cerca de um mês, o município tirsense anunciou um investimento de mais de 20 milhões de euros em rede pública de água e saneamento. Além do investimento anunciado para o Vale do Leça, está em curso um investimento no valor de 1,2 milhões de euros em trabalhos que vão permitir fechar algumas ‘pontas’ de saneamento. Até ao final do ano vai ainda arrancar um projeto, no valor de 8,7 milhões de euros, que vai permitir que a capacidade da rede de esgotos em Santo Tirso atinja um valor superior a 90 por cento da população, número que ultrapassa o exigido pelas normas europeias.

Obrigado por ler esta notícia

Veja tambem