Conversas sobre “Poesia e identidades: corpos, políticas, sexualidades” na Fundação Cupertino Miranda

No dia 27, o festival abre, pelas 21h45, com uma conversa com a realizadora Inês de Medeiros, conduzida por Ana Gabriela Macedo, no pequeno auditório da Casa das Artes, numa iniciativa que conta com a parceria do Cineclube de Joane.

No dia 28, o programa regressa à Fundação Cupertino de Miranda, com destaque para a conversa “O som que os versos fazem ao abrir” com Ana Luísa Amaral e Luís Caetano, pelas 17h30, com gravação ao vivo para a Antena2. Antes disso fala-se pelas 11h00 de “Poesia e Corpos: A poesia tem sexo?” com Maria Teresa Horta, Rosa Maria Martelo e Livia Apa. Pelas 15h00, o assunto é “Poesia e Corpos: A critica tem sexo? Com Catherine Dumas, Eduardo Pitta e Graça Capinha.

No último dia do evento, 29 de setembro, será lançada pelas 10h00, a antologia poética do corpo: outras habitações, organizada por Ana Luísa Amaral e Marinela Freitas. Pelas 10h30, debate-se “A poesia tem… o quê?” com Jorge Sousa Braga, Fernando Aguiar e Helga Moreira, numa conversa conduzida por Isabel Pires de Lima.

Pelas 12h00, decorre Leituras de Poesia com Ana Luísa Amaral, João Rios, Rui Springer e Isaque Ferreira.

Refira-se que a Fundação Cupertino de Miranda inaugurou no passado mês de junho o Centro Português do Surrealismo que tem atualmente uma coleção de mais de três mil obras ligadas ao surrealismo, nomeadamente de Mário Cesariny e Artur Cruzeiro Seixas, num total de 130 artistas.

Com Carmina, a palavra latina que define a poesia como alguma coisa entre o pagão e o religioso, a ideia é ir além do que são habitualmente os festivais de poesia, em que apenas se ouve dizer poesia.

Notícias relacionadas...

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização