18
Sun, Feb
18 New Articles

Manuel Antunes esteve 48 anos ao serviço dos Bombeiros Voluntários de Riba de Ave, 27 dos quais como comandante da corporação. No sábado, dia 20, passou para o quadro de honra da Associação Humanitária, ao mesmo tempo que Luís Abreu passou a 2.º comandante e Joaquim Faria a adjunto do comando.

Um dia marcante para a história da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Riba de Ave. Manuel Antunes, um homem a quem sobressai a “humildade”, diz a presidente da Associação Humanitários dos Bombeiros Voluntários de Riba de Ave, Maria José Gonçalves, foi homenageado pelas quase cinco décadas de serviço aos soldados da paz. O até então comandante dos Bombeiros de Riba de Ave despede-se fazendo “um balanço positivo” do seu percurso. “Acho que fiz o meu melhor. Sinto-me orgulhoso”, afirmou. Agora, guardará no álbum das memórias as “boas recordações”, uma vez que, apesar de “fisicamente” se sentir “capaz para permanecer mais uns anos”, a lei impõe que o limite de idade para a permanência do quadro de comando são os 65 anos.
Para a presidente da direção da corporação ribadavense, Manuel Antunes “é um grande exemplo”. “O corpo de bombeiros que temos hoje, e que muito nos orgulha, é trabalho do comandante. Foi ele que o moldou e o construiu, sempre com muita humildade competência, dedicação e disponibilidade”, frisou.

 

Leia a reportagem na íntegra na edição n.º119 do JA

Mais de 3,5 milhões de visualizações. Foi esta a meta que o Jornal do Ave conseguiu ultrapassar em 2017. A equipa do JA foi à procura da informação de relevo que marcou a atualidade em Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso e Trofa. De 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2017, foram centenas as reportagens que disponibilizamos no site e na página do Facebook do Jornal do Ave. As mesmas que captaram a atenção de 3,5 milhões de espectadores, com um aumento de 529 por cento dos minutos visualizados.
A reportagem mais vista do ano foi o acidente multivítimas junto à central de camionagem de Vila Nova de Famalicão. Este simulacro, que pôs à prova as forças da proteção civil famalicenses foi visto 128.828 vezes. Segue-se “Um mosteiro, 20 irmãs, 300 kg de bolachas”, referente ao Mosteiro de Santa Escolástica, em Santo Tirso, que foi vista 88.670 vezes. A fechar o top 3 está uma reportagem sobre uma unidade hoteleira de Santo Tirso, com 49.023 visualizações.
O ano de 2018 começa com boas notícias para o Jornal do Ave. Entre o dia 1 e o dia 24 de janeiro, os vídeos deste órgão de comunicação foram vistos mais de 265 mil e 500 vezes, um aumento de 93,4 por cento em relação ao período homólogo do mês de dezembro. O incêndio de grande dimensão que destrui um prédio junto ao parque D. Maria II, em Santo Tirso, foi o que mais interesse despertou aos seguidores do JA. A reportagem conta já com mais de 25 mil visualizações.
A equipa do Jornal do Ave procura sempre levar até aos seus seguidores o que de relevante marca os três concelhos, mas o trabalho diário só faz sentido se conseguirmos chegar às pessoas com a missão que temos: informar. Os números aqui apresentados são a prova de que estamos no rumo certo e de que o nosso lema continua a fazer sentido, porque “juntos somos mais fortes”.

Hotel Quinta das Pirâmides. Este é o nome do hotel que vai nascer numa antiga quinta rural com 16 hectares, localizada na Avenida do Aziveiro, em Telhado, concelho de Vila Nova de Famalicão.
O projeto, que visa explorar o turismo de negócios durante a semana e o turismo de alta qualidade ao fim de semana, feriados e férias, mereceu o reconhecimento de interesse público municipal, aprovado por unanimidade na última reunião do executivo famalicense.
Com um investimento inicial de três milhões de euros, o empreendimento terá um nível de 4 estrelas superior, com conceito de hotel resort e spa, restaurantes e centro de congressos, com perspetiva de gerar 11 empregos diretos e 15 indiretos.

 

Leia a reportagem na íntegra na edição n.º 119 do JA

ACO Shoes cresce na Europa de Leste

 

As exportações de calçado de conforto para a Rússia, diversos países da antiga URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e outros da Europa de leste são responsáveis pelo crescimento global de oito por cento da faturação de 2017 da ACO – Fábrica de Calçado, SA, a empresa de Armindo Costa, antigo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

“Cinco anos depois de termos entrado nos mercados do leste da Europa atingimos a consolidação, sendo de salientar as exportações para a Rússia e diversos países da antiga URSS”, revela Armindo Costa, o presidente do conselho de administração da empresa, explicando que essa consolidação foi o fator responsável por uma subida de oito por cento na faturação de 2017.

A ACO foi fundada por Armindo Costa, em 1975, na freguesia de Mogege, concelho de Vila Nova de Famalicão, onde atualmente emprega 400 pessoas, tendo duas unidades de apoio à produção suas participadas, a ECCO Conforto, no município de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo, e a ICCO, na ilha de S. Vicente, em Cabo Verde, que contam com 150 e 260 trabalhadores, respetivamente.

Especializada em calçado de conforto, a ACO produz 1,5 milhões de pares de sapatos por ano (mais de 5 mil pares por cada dia útil), gerando um volume de negócios na ordem dos 35 milhões de euros.

PRESENÇA EM 36 PAÍSES

“Numa época que foi de crise nos mercados tradicionais, o investimento feito pela ACO nos mercados no leste da Europa foi uma aposta ganha. Conseguimos manter as exportações para os mercados tradicionais e conseguimos subir as nossas vendas na Europa de leste”, explica Armindo Costa, manifestando-se “muito satisfeito com os resultados obtidos pela ACO Shoes” no ano que terminou.

“Países do leste da Europa, como a Letónia, a Eslovénia, a República Checa, a Bielorrússia, a Moldávia ou a Lituânia são mercados em crescimento, onde o poder de compra tem aumentado e cujos consumidores começam a valorizar o conforto e a qualidade do calçado produzido pela ACO”, afirma, por seu turno, Fernando Costa, responsável pelas vendas internacionais.

Além de estar disponível em Portugal, o calçado da ACO é vendido em 35 países de cinco continentes (Europa, Ásia, África, Oceania e América do Norte). Assim, os sapatos produzidos em Vila Nova de Famalicão podem ser encontrados na África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Áustria, Austrália, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Emiratos Árabes Unidos, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estados Unidos da América, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Inglaterra, Irlanda, Israel, Japão, Letónia, Lituânia, Noruega, Polónia, Quirguistão, República Checa, Roménia, Rússia, Suécia, Suíça, Turquia e Ucrânia.

NOVOS PRODUTOS E FEIRAS INTERNACIONAIS

Dando continuidade ao trabalho permanente de investigação e desenvolvimento, a ACO tem reservada para 2018 uma aposta em novos produtos de alto valor acrescentado, designadamente com a criação de “um calçado mais técnico”, que se insere numa estratégia virada para o mercado português.

Entre 13 e 16 de janeiro, a ACO Shoes esteve representada ao mais alto nível na Expo Riva Schuh International Shoe Fair, na cidade de Riva Del Garda, naquela que é uma das mais importantes feiras de calçado em Itália.

O mês de fevereiro também será marcado por uma intensa atividade de contactos com clientes na Europa. Entre 7 e 9 de fevereiro, será a vez de a ACO participar na Nordig Shoe & Bag Fair, na cidade de Nacka, na Suécia. E entre 11 a 14 de fevereiro, a empresa de calçado de conforto de Vila Nova de Famalicão voltará a estar presente em Itália, desta vez em Milão, na Micam Shoevent 2018, que é considerada a maior feira de calçado do mundo.

Vasco Seabra é o novo treinador do Futebol Clube de Famalicão.
Primeira escolha do clube para orientar a equipa, treinador e clube, rapidamente chegaram a um acordo para a celebração de um contrato até ao final da temporada de 2019.

“Quisemos um treinador com ambição e que possa corporizar o espirito do nosso clube. Apresentamos ao Vasco Seabra as nossas ideias e ambições, que se enquadram naquilo que é o seu perfil como treinador, e com esta rápida identificação e vontade mútua damos agora início a um novo trabalho que esperamos de sucesso”, começou por dizer Jorge Silva presidente do clube.

Vasco Seabra vem acompanhado de Mauro Silva e mantêm a restante equipa técnica a trabalhar no clube.

O treinador já orientou a primeira sessão de trabalho com a equipa na manhã de quarta-feira, início da preparação do trabalho para o jogo frente ao SL Benfica «B», próximo adversário do FC Famalicão na Ledman LigaPro.
Fonte: FC Famalicão 

Com um golo aos 90+5 minutos, o Penafiel venceu (2-1) hoje em casa do Famalicão, na 21.ª jornada da II Liga portuguesa em futebol, agudizando a crise dos minhotos, que perdem há cinco jogos consecutivos.

Feliz marcou aos 62 minutos, mas em dois lances que nasceram de bola parada - uma grande penalidade aos 84 e um livre aos 90+5 - Fábio Abreu e Fábio Fortes consumaram a reviravolta e fizeram o Penafiel regressar às vitórias depois de duas derrotas seguidas.

Os primeiros lances de perigo pertenceram ao Penafiel, com Rafa Sousa a atirar por cima (10 minutos), Gustavo a rematar contra o corpo do guardião da casa (19) e Ludovic a apontar para fora (24), mas o Famalicão acabou por tomar conta do jogo e impôs o ritmo da partida.

Aos 34 minutos - já Dito tinha esgotado uma substituição já que Daniel saiu lesionado logo aos seis minutos de jogo -, Anderson rematou de forma rasteira para as mãos de Ivo, abrindo o caminho ao jogo mais atrevido e focado da equipa da casa.

A segunda parte foi bastante mais aberta no que diz respeito a circulação de bola. Fabinho, reforço de inverno dos famalicenses que se estreou como titular, rematou forte aos 54 minutos, mas a bola teve o mesmo destino que um remate semelhante de Romeu Ribeiro dois minutos depois - as mãos do guarda-redes.

O golo dos minhotos acabou por surgir, aos 62, graças à insistência de Feliz que aproveitou bem um cruzamento de William, o mesmo que aos 67 podia ter elevado a vantagem para os 2-0, mas a 'bomba' esbarrou no poste. José Pedro também tentou de longe e com muita força, aos 71, mas Ivo estava a 'tapar' a baliza.

E quem não marca, fica à mercê de sofrer. O Penafiel empatou a partida na conversão de uma grande penalidade aos 84 minutos por Fábio Abreu, o mesmo jogador que antes sofreu falta de João Faria.

Até ao final da partida, repartiram-se as oportunidades de golo com o Famalicão mais nervoso, mas também mais rematador, enquanto o Penafiel tentava aproveitar ao máximo os lances de bola parada como aconteceu já nos descontos quando João Pedro foi expulso ao ver segundo amarelo por falta sobre Vasco Braga.

Na cobrança do livre, passavam cinco minutos dos 90, Fábio Fortes desviou o pontapé de Vasco e estabeleceu o resultado final em 2-1.

Lusa

Foto: FC Famalicão

Videos em destaque

Siga-nos no facebook